WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

uninter

otica elo

exa ambiental

elleve

calcart shoes

localizacao>

abril 2021
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
blog antigo

:: ‘DANIEL ALMEIDA’

DEPUTADO DANIEL ALMEIDA DEFENDE QUE AUXILIO EMERGENCIAL VOLTE PRA R$: 600,00

Ministro da Economia afirmou que novo auxílio emergencial vai variar de R$ 175 a R$ 375. PCdoB luta para garantir a retomada do pagamento dos R$ 600.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta segunda-feira (8) que as parcelas do auxílio emergencial irão variar de R$ 175 a R$ 375. O valor médio será de R$ 250.

“Esse é um valor médio [R$ 250], porque se for uma família monoparental dirigida por uma mulher, é R$ 375. Se for um homem sozinho, é R$ 175. Se for um casal, os dois, aí já são R$ 250. Nós só fornecemos os parâmetros. A decisão da amplitude é do Ministério da Cidadania”, disse Guedes após participar de uma reunião no Palácio do Planalto.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já havia dito que a previsão era pagar R$ 250 durante quatro meses a partir de março. O deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) criticou o valor, ainda mais baixo do que os R$ 250 anunciados incialmente pelo governo Bolsonaro.

“Guedes afirma que o auxílio terá valores entre R$175 e R$350. Não aceitaremos! Vivemos o pior momento da pandemia, com número de óbitos e contaminados numa crescente, sem vacina, sem emprego suficiente, e o governo federal estipula um auxílio de fome para a população brasileira”, destacou o parlamentar.

O PCdoB é defensor da retomada do auxílio emergencial no valor de R$ 600, conforme aprovado em 2020 pelo Parlamento. A legenda vem cobrando do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a votação do PL 463/21, apresentado pelos parlamentares do partido, e que estipula o valor para os trabalhadores enquanto a taxa de transmissão do vírus que causa a Covid-19 estiver superior a 0.90.

Crédito: Richard Silva

Deputado Daniel Almeida relembra lei de sua autoria que assegura ao trabalhador brasileiro o direito a exames preventivos de câncer

Há quase um ano o mundo passa por uma grave crise sanitária, por conta da pandemia da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Neste novo cenário, a atenção à saúde tornou-se principal foco da população. No dia Mundial de Combate ao Câncer o alerta para o tratamento, prevenção e diagnóstico reacendeu. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica cerca de 50 mil pessoas deixaram de realizar exames entre março e maio de 2020.

Sendo a segunda maior causa de mortes por doença de brasileiros, o câncer, se tratado precocemente tem chance de cura aumentada. Desde 2018, vigora a lei 13.767/18, de autoria do deputado federal Daniel Almeida (PCdoB), que permite a ausência dos trabalhadores ao serviço para realização de exames preventivos de câncer.

A legislação concede três dias em cada 12 meses de trabalho para investigar a possibilidade de câncer sem prejuízo do salário. “Os cuidados com a saúde tornaram-se nossa prioridade em meio à pandemia do coronavírus, principalmente para as pessoas com comorbidades. Portanto, a prevenção será sempre a melhor alternativa. A correria diária nos impede de ir ao médico e fazer exames, e por isso a lei visa sanar essa lacuna e garantir aos trabalhadores esse recurso”, explicou Almeida.

Na Bahia, o parlamentar baiano participou da entrega da Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (UNACON), em Caetité, em novembro do ano passado. Foram investidos mais de R$ 11 milhões na implantação do equipamento de saúde que oferece mais tecnologias e conforto na prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer. “São 80 leitos, sendo 10 de UTI, que beneficiam toda a região sudoeste do estado da Bahia. Resultado da parceria entre o governo estadual, prefeitura e o parlamento, onde nosso mandato encaminhou emenda na composição do orçamento total da obra”, afirmou Daniel.

De acordo com projeção do Instituto Nacional de Câncer (Inca), a estimativa é que ocorram 625 mil casos novos de câncer para cada ano do triênio 2020-2022. Os cânceres de pele, próstata, reto, mama, pulmão e estômago estão entre os mais incidentes no país.

ASCOM – Daniel Almeida

Deputado Bobô anuncia obra de extensão de rede de água em Itiúba

IMAGEM ILUSTRATIVA

O Deputado Estadual do PCdoB, Bobô Tavares, publicou neste domingo uma noticia que com certeza deixa os itiubenses felizes. Segundo o Deputado, foi liberação da obra de extensão de rede de água (quase 5km) para comunidade de Bela Conquista, no município de Itiúba.
A obra é fruto de uma indicação do deputado estadual Bobô e deputado federal Daniel Almeida, em atenção à solicitação da ex-prefeita Cecília Petrina, o sistema beneficiará cerca de 83 famílias, com investimento na ordem de R$ 196 mil.

“Agradeço ao governador @ruicostaoficial e ao presidente da Embasa, Rodrigo Cedraz, por atenderem esse pleito tão importante.
Uma comunidade que tem água tratada tem mais qualidade de vida e muito mais saúde”. Ressaltou Bobô em suas redes sociais.

Cidade em Notícias

Deputado Daniel Almeida condena ataques com motivação religiosa

FOTO: RICHARD SILVA

A pandemia pelo novo Coronavírus mudou o cenário mundial através do isolamento social, uso da máscara e higienização das mãos. As restrições impostas para evitar o contágio pela covid-19 impactaram diretamente templos e cultos religiosos. Atividades em igrejas, terreiros e centros foram suspensas e atos religiosos foram celebrados pela internet. No entanto, a pandemia não impediu o aumento dos casos de intolerância religiosa no Brasil.

“A intolerância invadiu o ambiente virtual, onde já observamos os discursos de ódio cada vez mais crescente nas redes sociais. Os comportamentos preconceituosos em relação a práticas religiosas são totalmente rechaçados pela lei 11.635, que estabeleceu o 21 de janeiro como a data para visibilizar a luta pelo respeito a todas as denominações religiosas”, afirmou Daniel Almeida.

Foram inúmeros casos catalogados em 2020. O Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, situado em Salvador, registrou 32 casos, dentre eles: 24 de racismo, 29 de intolerância religiosa e dois correlatos. No Brasil, foram registradas 354 denúncias de discriminação religiosa até junho de 2019, segundo dados do Disque 100.

Em julho, o busto que homenageia Mãe Gilda, localizado em Salvador, foi vandalizado por um homem. Um terreiro de umbanda foi incendiado em plena luz do dia no Rio de Janeiro. Em dezembro, uma influenciadora digital sergipana foi convocada a prestar esclarecimento sobre um vídeo divulgado em sua rede associando a oferenda “macumba” como algo ruim.

A Lei 11.635, que institui o 21 de janeiro como Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, de autoria do deputado federal Daniel Almeida (PCdoB), surgiu em homenagem à Mãe Gilda, ialorixá do candomblé que sofreu um ataque cardíaco e morreu no dia 21 de janeiro de 2000, após sua foto ser capa da matéria sobre “macumbeiros charlatões”, do jornal Folha Universal da Igreja Universal do Reino de Deus.

O parlamentar estimula a busca pelo convívio pacífico entre as religiões. “Temos que nos despir do ódio e respeitar os direitos daqueles que querem manifestar qualquer diferentes opiniões. Não podemos permitir que usem o nome de Deus como justificar esses atos insanos de intolerância. Precisamos manter o espírito ecumênico e defender a liberdade tal qual a democracia estabelece”, concluiu Almeida.

telecom

clinica viver

pro saude

santana advocacia

clinica vida



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia